sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Coluna Literária - Post 3 - Tolkien e seu impacto cultural


Salve salve pessoal, com mais um post da coluna literária

Nesse post venho tratar do J. R. R. Tolkien (criador de obras como O Hobbit e Senhor dos Anéis, e todas as obras ligadas direta ou indiretamente a estes dois livros) e o impacto cultural causado por suas obras (que cá entre nós, são obras de arte literárias). E antes de começar a falar a respeito do impacto cultural, vale trazer um pouco da vida do escritor.
John Ronald Reuel Tolkien (Bloemfontein, 3 de Janeiro de 1892 — Bournemouth, 2 de Setembro de 1973) foi um escritor, professor universitário e filólogo britânico.
Tolkien nasceu na África do Sul e aos três anos de idade, com sua mãe e irmão, passou a viver na Inglaterra, terra natal de seus pais. Desde pequeno fascinado pela lingüística, cursou a faculdade de Letras em Exeter. Lutou na Primeira Guerra Mundial, onde começou a escrever os primeiros rascunhos do que se tornaria o seu "mundo secundário" complexo e cheio de vida, denominado Arda, palco das mundialmente famosas obras O Hobbit, O Senhor dos Anéis e O Silmarillion, esta última, sua maior paixão, que, postumamente publicada, é considerada sua principal obra, embora não a mais famosa.
Tornou-se filólogo e professor universitário, tendo sido professor de anglo-saxão (e considerado um dos maiores especialistas do assunto) na Universidade de Oxford de 1925 a 1945, e de inglês e Literatura inglesa na mesma universidade de 1945 a 1959. Mesmo precedido de outros escritores de fantasia, tais como William Morris, Robert E. Howard e E. R. Eddison, devido à grande popularidade de seu trabalho, Tolkien ficou conhecido como o "pai da moderna literatura fantástica".
 Aos três anos parte com a sua mãe, Mabel Suffield, dona de casa, e com o seu irmão, Hilary Arthur Reuel Tolkien, para a Inglaterra, onde pretendiam passar apenas uma temporada devido a questões de saúde de Mabel e dos seus filhos, mas devido à morte de seu pai, eles ali permaneceram por toda a vida. O pai, Arthur Tolkien, um bancário que trabalhava para o Bank of África, contraiu febre reumática e morreu em 1896 na África do Sul, antes de juntar-se à família, e foi enterrado na própria África. Em 1900 a situação financeira da família complicou-se. Mabel Suffield fazia parte da Igreja Anglicana, e quando tornou-se católica, sua família cortou a ajuda financeira que lhe dava, e assim ela morreu, por diabetes, sem tratamento na época. Tolkien, que considerava esse fato um sacrifício da mãe em nome da fé, converteu-se ao Catolicismo.
Tolkien e seu irmão foram entregues então aos cuidados do Padre jesuíta Francis Xavier Morgan, que Tolkien mais tarde descreveu como um segundo pai, e aquele que lhe ensinara o significado da caridade e do perdão.
Conheceu Edith Bratt em 1908, quando ele e seu irmão Hilary foram alojados no mesmo local que a jovem, três anos mais velha, e os dois começam a namorar escondido. Entretanto, seu tutor, o Padre Francis Morgan, descobriu a situação e, acreditando que este relacionamento fosse prejudicar a educação do rapaz, proibiu-o de vê-la até que completasse vinte e um anos, quando Tolkien alcançaria a maioridade. Na noite do seu vigésimo primeiro aniversário, Tolkien escreveu a Edith, e convenceu-a a casar-se com ele, apesar de ela já estar comprometida, e também converteu-a ao catolicismo. Juntos eles tiveram quatro filhos: John Francis Reuel Tolkien, Michael Hilary Reuel Tolkien, Christopher John Reuel Tolkien e Priscilla Anne Reuel Tolkien. Consta-se que era um pai devoto, tendo algumas obras lançadas inspiradas em contos que havia criado justamente para seus filhos.
Uma das mídias mais influenciadas pelas obras tolkenianas é a música, uma vez que várias bandas se inspiraram em mais de uma forma nas obras de Tolkien em seus trabalhos. Estas inspirações/homenagens ocorreram tanto em forma de CDs inteiros lançadas com os temas dos livros, assim só como musicas ou então até o nome da banda sendo tirado de elementos dos livros. Entre bandas que buscaram influencias nas obras de Tolkien, pode ser citada as seguintes: Blind Guardian, que teve o cd Nightfall in Middle-Earth, inspirado no livro O Silmarillion; Led Zeppelin que teve musicas como Ramble On, Starway to Heaven, The Battle for Evermore inspiradas em passagens dos livros O Senhor dos Anéis; a banda Amon Amarth de viking metal, que tirou o nome de um local de Arda, pra ser mais exato das Montanhas da Perdição (Amon Amarth é o élfico para essa montanha);  Rick Wakeman que teve um cd Landscapes of Middle Earth inspirado nas obras de Tolkien; a musica Master of the rings da banda Helloween, também teve a inspiração da mesma fonte das demais citadas anteriormente. (Muitas outra bandas também tiveram esta influencia, mas lista ficaria muito longa). 
Como não é de se espantar, outros escritores, também criaram livros com certa influencia das obras de Tolkien, entre eles pode se constar C. S. Lewis escritor das Crônicas de Nárnia, que foi muito amigo de Tolkien; J. K. Rowling, escritora de Harry Potter, a escritora disse em entrevista que se não fossem as obras de Tolkien jamais teria inspiração para escrever seus livros; George R. R. Martin, que tem forte aproximação de ambientação de suas obras, uma vez que suas obras são ambientadas no medieval fantástico.
Tolkien também teve de alguma forma influenciando algumas coisas na TV, tendo de alguma forma obras citadas em séries e filmes, também inspirou séries e filmes. Em filmes influenciou: O Cristal Encantado; A história sem fim; A lenda; Willow – Na terra da magia, e; Coração de Dragão. Como já dito anteriormente Dungeons & Dragons foi criado graças as obras de Tolkien, então também deve ser citado que os filmes (infelizmente muito fracos) dessa franquia também tem inspirações de Tolkien, assim como o desenho Caverna do Dragão (uma vez que também é baseado no RPG D&D). E não pode ser deixado de falar da Trilogia de filmes de Senhor dos Anéis, dirigidas por Peter Jackson, a franquia de filmes foi a maior ganhadora de Óscars da história, recebendo no total 17 estatuetas (4 no 1º filme; 2 no 2º, e; 11 pelo 3º). Pode ser dito entre as citações em séries e filmes: Friends (no episódio em que Chandler e Ross marcam com um amigo que tem o apelido de Gandalf; no filme Celular, aonde o filho da protagonista tem uma mochila do Senhor dos Anéis, e em muitas outras séries e muitos outros filmes.
Por isso tudo pode ser feita a citação do renomado jornal The Sunday News: “O mundo está dividido entre aqueles que leram O Hobbit e O Senhor dos Anéis, e os que ainda não leram.”
Acredito que devam ter percebido que de fato a influencia das obras deste magnânimo escritor, chegou a um nível sem precedentes, e que provavelmente suas obras serviram de influência para muitas coisas que nem se tinha idéia, e que muitas pessoas são fãs e que nem sempre vem a ter conhecimento de que foram influenciadas por obras de Tolkien.
Bom, após este texto espero que tenha incentivado aos que não leram as obras de Tolkien, se animem e leiam, assim como espero ter agrado a muitos fãs desta lenda literária, assim como também espero ter ajudado a aumentar o conhecimento das fontes de bandas e filmes que gostam que foram inspirados pelos livros de Tolkien.

É isso ai, até a próxima.


Post por Adenio Jr.

3 comentários:

  1. Sem duvidas Tolkine é NO MINIMO um gênio....

    ResponderExcluir
  2. Foi graças ao trabalho dele que comecei a gostar de ler. E também a escrever meus livros, criando novos mundos como ele fez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que MUITA GENTE começou a gostar de ler por causa das obras dele.....

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...